CÃO DE ÁGUA PORTUGUÊS

Ch Int, Pt, Es, Lux, Gib, Fr, Ar, BIS05, JP03, BISS04, BOB04, BOG04,
BISS05, EW05, WW05, EW06, ACW, AR Gr Ch
Prop. : Isabel Santos

 

ESTALÃO DA RAÇA

Em épocas muito remotas o Cão de Água teve o seu solar em todo o litoral português. Hoje, pela contínua modificação da arte da pesca, encontra-se principalmente no Algarve, região esta que é o seu solar. A sua presença nas costas de Portugal deve remontar a épocas muito idas, devendo o Cão de Água ser considerado como uma raça do país.


I - ASPECTO GERAL E APTIDÕES

Cão mesomorfo, sub-convexilíneo com tendências para rectilíneo; tipo bracóide.

Nadador e mergulhador exímio e resistente, é inseparável companheiro do pescador, a quem presta inúmeros serviços, tanto na pesca como na guarda e defesa do seu barco e propriedade. Durante a faina da pesca, atira-se voluntariamente ao mar para apanhar e trazer o peixe escapado, mergulhando se for necessário, e procedendo da mesma forma se alguma rede se parte ou algum cabo se solta. É empregado também como agente de ligação entre o barco e a terra, e vice-versa, mesmo quando a distância é apreciável.

Animal de inteligência invulgar, compreende e obedece facilmente com alegria a todas as ordens ao seu dono.

Cão de temperamento ardente, voluntarioso e altivo, sóbrio e resistente à fadiga. Tem a expressão dura e um olhar penetrante e atento. Possui grande poder visual e apreciável sensibilidade olfactiva.

Tipo mediolíneo, harmónico de formas, equilibrado, robusto e bem musculado. Apreciável desenvolvimento muscular devido ao constante exercício da natação.


II - CABEÇA

Bem proporcionada, forte e larga.

CRÂNIO - Visto de perfil o seu comprimento predomina levemente sobre o do chanfro. A sua curvatura é mais acentuada posteriormente e a crista occipital é pronunciada. Visto de frente os parietais têm a forma abobada com leve depressão central, a fronte é ligeiramente escavada, o sulco frontal prolonga-se até dois terços dos parietais e as arcadas supra-ciliares são proeminentes.

CHANFRO - Mais largo na base que na extremidade. A chanfradura nasal é bem definida e situada um pouco atrás do canto interno dos olhos.

NARINAS - Largas, abertas e de fina pigmentação. De cor preta nos exemplares de pelagem preta, branca e suas combinações. Nos acastanhados, a cor segue a tonalidade de pelagem, mas nunca deve ser almarada.

BEIÇOS - Fortes especialmente na parte da frente. Comissura não aparente. Mucosa bocal (céu da boca, debaixo da língua e gengivas) acentuadamente pigmentada de preto.

MAXILAS - Fortes e correctas.

DENTES - Bons e não aparentes. Caninos fortes e desenvolvidos.

OLHOS - Regulares, aflorados, arredondados, afastados e levemente oblíquos. A coloração da íris é preta ou castanha e as pálpebras, que são finas, orladas de preto. Conjuntiva não aparente.

ORELHAS - Inserção acima da linha dos olhos, colocadas contra a cabeça, levemente abertas para trás e cordiformes. Leves e a sua extremidade nunca ultrapassa a garganta.


III - TRONCO

PESCOÇO - Direito, curto, redondo, musculado, bem lançado e de porte alto, ligando-se ao tronco de uma forma harmoniosa. Sem colar nem barbela.

PEITO - Largo e profundo. O seu bordo inferior deve tocar o plano do codilho. As costelas são compridas e regularmente oblíquas, proporcionando grande capacidade respiratória.

GARROTE - largo e não saliente.

DORSO - Direito, curto, largo e bem musculado.

LOMBO - Curto e bem unido à garupa.

ABDÓMEN - Reduzido volume e elegante.

GARUPA - Bem conformada, levemente inclinada; ancas simétricas e pouco aparentes.

CAUDA - Inteira, grossa à nascença e de fina terminação. Inserção média. O seu comprimento não deve ultrapassar o curvilhão. Na atenção enrola-se em óculo, não indo além da linha média dos rins. É um precioso auxiliar na natação e mergulho.


IV - MEMBROS ANTERIORES

Fortes e direitos.

ESPÁDUA - Bem inclinada de perfil e transversalmente. Forte desenvolvimento muscular.

BRAÇO - Forte e de comprimento regular. Paralelo à linha média do corpo.

ANTEBRAÇO - Comprido e de forte musculatura.

CARPO - Forte ossatura, mais largo de frente que de lado.

METACARPO - Longo e forte.

MÃO - Arredondada e espalmada. Dedos pouco arqueados, de comprimento médio. A membrana digital, que acompanha o dedo em todo o seu comprimento, é constituída por tecidos flácidos e guarnecida por abundante e comprida pelagem. As unhas pretas são as preferidas, mas, segundo as pelagens, também são admitidas as brancas, raiadas ou castanhas. Unhas levemente afastadas do solo. Sola rija no tubérculo plantar e de espessura normal nos tubérculos digitais.


V - MEMBROS POSTERIORES

Bem musculados e direitos.

COXA - Forte e de regular comprimento. Muito bem musculada. A rótula não se afasta do plano médio do corpo.

PERNA - Comprida e muito bem musculada. Não se afasta do plano médio do corpo. Bem inclinada no sentido antero-posterior. Toda a estrutura ligamentosa é forte.

NÁDEGA - Comprida e de boa curvatura.

TARSO - Forte.

METATARSO - Comprido. Nunca há dedos suplementares.

PÉS - Em tudo idênticos às mãos.

APRUMOS - Os aprumos dos membros anteriores e posteriores são regulares. Admitem-se os membros anteriores levemente estacados e os posteriores um pouco acurvilhados.


VI - PELAGEM

Todo o corpo se encontra abundantemente revestido de resistente pêlo. Há duas variedades de pelagem: uma comprida e ondulada e outra mais curta e encarapinhada.

A primeira variedade é ligeiramente lustrada e fofa, a segunda atochada, baça e reunida em mechas cilindriformes. À excepção dos sovacos e virilhas os pêlos distribuem-se por igual em todo o tegumento. Na cabeça tomam o aspecto de trunfa, na pelagem ondulada e de carapinha na outra variedade. O pêlo das orelhas adquire maior comprimento na variedade de pelagem ondulada.

A coloração da pelagem é simples ou composta: naquela existe o branco, preto e castanho nas suas tonalidades; nesta, misturas de preto ou castanho com o branco.

A pelagem branca deve existir sem albinismo, pelo que as ventas, bordos palpebrais e interior da boca devem ser pigmentados de negro.

Nos exemplares onde entram as cores preta e branca a pele é ligeiramente azulada.

Pelugem não tem.

É característica nesta raça a tosquia parcial da pelagem, quando esta se torna muito comprida. A metade posterior do corpo, o focinho e a cauda são tosquiados, ficando todavia nesta uma pequena borla na ponta.


VI - ALTURA

Nos machos a altura típica é de 54 cm, admitindo-se à classificação um mínimo de 50 cm e um máximo de 57 cm.

Nas fêmeas a altura deve ser de 46 cm, com o mínimo e máximo respectivamente de 43 e 52 cm.

VII - ANDAMENTOS

Movimentos desembaraçados, passo curto, trote ligeiro e cadenciado, galope enérgico.


VIII - DEFEITOS

DESQUALIFICAÇÕES

CABEÇA - muito longa, estreita, chata e afilada;
CHANFRO - muito afunilado ou ponteagudo;
MAXILAS - prognatismo em qualquer das maxilas;
OLHOS - gázeos, claros, desiguais na forma ou no tamanho, muito salientes ou muito encovados;
ORELHAS - má inserção, muito grandes, muito curtas ou dobradas;
CAUDA - amputada, rudimentar ou não existente, pesada, caída na acção ou erecta perpendicularmente;
PÉS - existência de presunhos;
PELAGEM - albinismo, narinas almaradas no todo ou em parte, pêlo diferente dos tipos, descritos;
CORPULÊNCIA - gigantismo ou nanismo;
SURDEZ - congénita ou adquirida.

 

TABELA DE PONTOS

 

 

Machos

 

Fêmeas

Cabeça: porte, crânio, orelhas, olhos, chanfro, boca, chanfradura nasal, ventas

20

 

20

Pescoço, garrote, espáduas, membros anteriores

10

 

7

Peito, rins, linhas superiores e inferiores do tronco

15

 

15

Garupa, bacia, membros posteriores

10

 

13

Pés, dedos, unhas

10

 

10

Cauda: porte, forma, inserção

5

 

5

Pêlo: textura, cor, densidade

5

 

5

Aspecto geral: harmonia de formas, andamentos, corpulência, caracteres sexuais

25

 

25

 

__________

 

__________

 

100

 

100

 


 

O ESTALÃO E A SUA INTERPRETAÇÃO

A COLORAÇÃO

 

Nas edições de 1938 e 1951 do Estalão oficial da raça publicadas pela Secção de Canicultura do Clube de Caçadores Portugueses, e versão que ainda hoje em dia é a oficialmente utilizada pelo Clube Português de Canicultura, podemos ler sob o capítulo referente à PELAGEM a seguinte descrição referente à coloração:

"A coloração da pelagem é simples ou composta: naquela existe o branco, preto e castanho nas suas tonalidades; nesta, misturas de preto ou castanho com branco."

Há alguns anos atrás, e com o aparecimento especialmente nos EUA de diversos exemplares altamente interpolados a comissão do C.P.C. então composta entre outros, da Dra. Maria Ana Marques, do Dr. João Paula Bessa e de João Vieira Lisboa, grandes conhecedores do Cão de Água, foi chamada a pronunciar-se sobre a descrição da coloração da pelagem do cão de água contida no estalão oficial do C.P.C..

O parecer da Comissão Técnica do C.P.C. foi então unânime. Sendo chamado a definir a percentagem de branco aceite na totalidade do manto do Cão de Água, indicou como percentagem máxima de branco a de 30%. Indicou também de que forma a interpolação poderia ocorrer, descrevendo a localização do branco como ficando circunscrita às seguintes áreas: focinho, pescoço, peitoral, ventre, parte inferior dos membros a partir do cotovelo e curvilhões e ponta da cauda.

Se tomarmos como referência os exemplares figurados nos croquis que a seguir se publicam, podem facilmente deduzir quais deles estão dentro dos parâmetros aceites pelo estalão oficial.

Assim as figuras A, B, C e D não oferecem nenhuma dúvida quanto à correcção da sua coloração. Trata-se com efeito de 4 exemplares que vão do preto ou castanho unicolor (Figura A), até ao malhado de branco nos 4 membros, focinho, pescoço, ventre, peitoral e ponta da cauda (Figura D).

Os exemplares representados pelas Figuras E e F são exemplares malhados nos locais característicos, mas já atingindo o limite de 30% (Figura E) ou ultrapassando-o ligeiramente (Figura F). O exemplar da Figura E pode concorrer em exposições, enquanto que o exemplar da Figura F já deverá ser penalizado pelo excesso de extensão de malha branca se concorrer em exposições da F.C.I..

Os exemplares representados pelas Figuras G e H são exemplares brancos interpolados de castanho ou preto com predominância da cor branca já mostrando mancha que os considera "salgados".

Estes dois exemplares estão fora do estalão oficial do C.P.C. e deverão ser severamente penalizados em todas as exposições caninas regidas sob a regulamentação da federação Cinológica Internacional (FCI), não sendo aconselhável a sua utilização na reprodução.


MARIA ANA MARQUES

Médica Veterinária

Professora da E.S.M.V.

HOME | Criação | Estalão | Origem | Ringue | Contactos
Lua | Ninhada L |   | História | Smooth |  
Feijoca | Ninhada J |   | Notas | BMW |  
Boleta | Ninhada I |       | Gelo |  
Doca |

Ninhada H

|       | Angie |  
Chaser | Ninhada G |              
Faisca | Ninhada F |